Dois dos maiores campeões do ciclismo britânico. Dois dos maiores nomes do desporto britânico. Dois dos maiores nomes da história do ciclismo. E até do desporto em geral.

Chris Froome, vencedor de sete Grandes Voltas. Na primeira jornada da 75ª La Vuelta perdeu mais de onze minutos para o vencedor. Na preparação do Le Tour de France em 2019, teve uma queda aparatosa no Critérium du Dauphiné. Regressou este ano, mostrando aqui e ali que poderia voltar a discutir uma Grande Volta. O que falta? Alberto Contador diz que falta o clique, algo do foro psicológico. Talvez a morte súbita de Nicolas Portal possa explicar essa ausência de fulgor e estabilidade mental.

Froome e a Israel Start-Up Nation / Israel Cycling Academy têm um pré-acordo há meses. Mas tarda em haver um comunicado oficial. Quem não se lembra da reviravolta épica do britânico no 101º Giro d’Italia?

Froome desferiu um ataque fatal a 80 quilómetros do fim à 19ª etapa do 101º Giro d’Italia.

Mark Cavendish soma 142 vitórias na carreira, a última das quais no Dubai Tour, há mais de dois anos e meio. Em final de contrato com a Team Bahrain McLaren, o britânico tem participado nas clássicas do pavé, entrando sucessivamente nas fugas do dia em busca de uma luz, na incerteza de terminar ou não a carreira. Sucessivas quedas, algumas graves, nos últimos anos e o avançar da idade instalaram o medo em disputar o final das etapas planas. no britânico. Quem não se lembra deste britânico ameaçar quebrar o recorde de vitórias de Eddy Merckx no Le Tour de France (detém 30 vitórias na prova contra 34 do belga)?

A última vitória de Mark, ao terceiro dia do Dubai Tour, em 2018.

Face aos factos, podemos mesmo estar a assistir às últimas pedaladas de dois nomes que dispensam apresentações. Dois campeões a saírem pela porta mais pequena possível.

Merecido este desfecho? O ‘não’ parece ser unânime. Mas na falta de certezas, aproveitemos e louvemos. Os campeões de hoje têm em Cavendish e em Froome os seus ídolos, as suas referências. E decerto que todos nós guardaremos sempre estes dois campeões nas nossas memórias. Porque eles merecem esta lembrança, esta reflexão.

God Bless you, Chris and Mark.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here