Partilhar

Nascido a 20 de Dezembro de 1979 em Barham, na Austrália, Michael Rogers tornou-se num dos grandes nomes que o ciclismo australiano trouxe para o World Tour durante o século XXI.

Rogers chegou à Europa em 1995 começando o seu percurso na pista com enormes resultados tais como o Título Nacional em Perseguição Colectiva em 1997 ou o Título de Perseguição Individual no ano seguinte. Apesar de tudo, o jovem australiano seguiu uma carreira na estrada com um nível bastante alto logo, desde a categoria de juniores e de sub-23. Além do Campeonato Nacional de Contra-Relógio em Juniores, Rogers alcançou também durante o final dos anos 90 do século passado, duas Medalhas de Prata em Mundiais tanto como sub-19, como enquanto sub 23. É de destacar também as Medalhas alcançadas nos jogos Commonwealth em 1998.

Em 2002 Rogers iniciou o seu reconhecimento internacional no World Tour destacando-se como um contra-relogista de alto nível. Logo nesse ano venceu em casa o Tour Down Under, ao serviço da Mapei – Quickstep. 2003 foi o ano de afirmação do australiano. Com o Título Mundial de Contra-Relógio como grande resultado, Rogers compôs o seu palmarés com vitórias em provas como a Volta a Pequim, a Route du Sud ou a Volta a Alemanha. Nos dois anos seguintes o australiano voltou a vencer os Mundiais de Contra-Relógio, alcançando em 2005 o estatuto de Tri-Campeão Mundial em anos consecutivos. Aos 24 anos.

O australiano exibindo a medalha de Campeão do Mundo de Contra-Relógio em 2004.

Em 2006 com a mudança para a equipa TMobile, Rogers alcançou o 9º lugar no Tour de France. No 2º ano com a equipa alemã, Rogers fechou em 7º o Tour of California, em 4º a Settimana Internazionale Coppi e Bartalie, perdeu a Vuelta a Catalunya para Vladimir Karpets e abandonou no Tour.

Em 2008 o australiano mudou-se para a Team Columbia, onde não foi a nenhuma Grande Volta. Teve como resultados de destaque o 2º lugar no Sachsen-Tour International, o 6º e 8º lugares nos Jogos Olímpicos de Pequim em Fundo e Contra-Relógio e o 3º lugar no Eneco Tour. No ano de 2009 Rogers venceu aquele que foi o seu único título de Campeão Nacional de Esforço Individual. Nesse mesmo ano alcançou em Maio o 6º lugar no Giro d’Italia. No ano seguinte venceu a Vuelta a Andaluzia e o Tour of California.

Rogers em acção com as cores da HTC.

No entanto, a partir de 2011 com a entrada na Sky e posteriormente a ida para a Tinkoff (Saxo-Bank) o australiano, apesar de ainda somar alguns resultados de relevo, passou a estar muito mais ligado ao serviço de gregário do que à posição preponderante como havia estado até então. Em 2012 esteve presente na vitória de Bradley Wiggins no Tour de France, depois de ter fechado em 4º o Santos Tour Down Under, vencido a Bayern-Rundfahrt e ter perdido o Criterium du Dauphine para Wiggins. Finalizou em 6º o Crono dos Jogos Olímpicos de Londres.

Os últimos anos da carreira de Michael Rogers foram passados na Tinkoff formação, onde auxiliou nomes como Alberto Contador. Em 2013 fechou em 2º o Tour of California. No ano seguinte fez parte do conjunto fortíssimo para o Tour, onde Alberto Contador era apontado como grande candidato à vitória. O espanhol abandonou mas o australiano fez jus ao seu talento e venceu a etapa 16 da prova francesa, após duas vitórias no Giro, incluindo a mítica chegada ao Monte Zoncolan. Terminou o ano com o 5º lugar no Mundial de Contra-Relógio em Ponferrada. No ano de 2015 fez parte da equipa que levou El Pistolero a vencer o Giro d’Italia e terminou em 7º o Eneco Tour.

Michael Rogers sempre foi um ciclista cheio de classe.

Em 2016 Michael Rogers anunciou a sua retirada do pelotão profissional devido a um problema cardíaco que se tinha agravado nos últimos anos da sua carreira. Participou em 15 Grandes Voltas, finalizando 13, 17 vitórias enquanto profissional, 6 das quais por etapas. Michael Rogers deixa então uma marca no ciclismo internacional, devido aos seus resultados individuais relevantes (em especial o Tri-Campeonato do Mundo), mas também devido ao espírito colectivo que nunca deixou de ter, defendendo sempre os objectivos das equipas onde figurou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here