Partilhar

Yaroslav Pavlovych Popovych nasceu em 1980. Considerado um gregário de luxo, protegeu ao longo da sua carreira nomes como Alberto Contador, Levi Leipheimer, Cadel Evans, Lance Amstrong e Fabian Cancellara.
Em sub-23 era considerado um dos ciclistas mais promissores da sua geração, conquistando 35 vitórias entre 2000 e 2001. Em 2001, após o 2º lugar em 2000, conquistou mesmo o título Mundial de Estrada nesses escalão. No mesmo ano venceu Paris – Roubaix, sempre em sub-23.

O ucraniano alcança a vitória no Mundial sub-23.

Tornou-se profissional em 2002 na equipa belga Landbouwkrediet – Colnago, onde conseguiu como melhores resultados o 3º lugar no Giro de Itália em 2003 e o 5º em 2004 depois de ter envergado a camisola rosa durante três etapas.
No ano seguinte juntou-se à Discovery Channel sendo considerado um possível sucessor de Lance Amstrong. Nesse mesmo ano conquistou a Volta à Catalunha e fechou o Tour de France no 12º lugar, conquistando ainda a camisola branca, símbolo de melhor jovem da prova. Em 2006 ao não conseguir lutar pela classificação geral do Tour, vencendo apenas a 12ª etapa. No ano seguinte ajudou Alberto Contador a chegar a várias vitórias, nomeadamente no Tour e no Paris-Nice.

Popovych foi o melhor jovem no Tour 2005.

Em 2008, Popovych mudou-se para a Silence – Lotto para servir de suporte a Cadel Evans, no entanto, teve um ano desapontante. Em 2009, Popoych e Amstrong juntaram-se à Astana mas apenas por um ano pois, no ano seguinte mudaram novamente de equipa, desta feita para a RadioSchack (depois Trek – Segafredo). Ficou ligado, em 2009, à vitória de Alberto Contador e ao 3º lugar de Armstrong no Tour.

Popovych foi contibuito para o 1º e 3º lugares e ainda para a vitória colectiva.

Yaroslav Popovych passou então a ter um papel fundamental em várias das vitórias de Fabian Cancellara, nas clássicas mais concretamente. Essa confiança do Suíço em Popovych ficou evidente em 2016 quando Cancellara fez questão que o ucraniano adiasse a sua reforma, correndo a sua última prova, no Paris – Roubaix, para também ajudar Spartacus no seu último monumento do ciclismo. Destacar ainda o papel fulcral do ucraniano na vitória de Chris Horner na Vuelta a España, no ano de 2013.

O abraço entre os dois no velódromo de Roubaix dispensa palavras.

Fabian Cancellara referiu a importância do ucraniano enquanto colega de equipa, após a sua retirada: “Ele sempre pôs a equipa em primeiro lugar apesar do seu enorme talento.” O ucraniano retirou-se como ciclista mas não abandonou a Trek – Segafredo pois é, hoje em dia, director desportivo da mesma.

Popovych no seu novo papel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here